#TBTs em série

ANO II

Também direto do Instagram

carioca off-Momo cariocas atípicos Rio de Janeiro

Esse menino me representa. Explico. O período em que mais gostei de Carnaval foi na infância. Tenho ótimas lembranças de carnavais brincados com minha irmã, nos bailes vespertinos de clubes de Brasília e do Rio, sempre fantasiadas com esmero por minha mãe ou por minha avó. Da adolescência para cá, no entanto, meio que corroborando minha fama de carioca atípica, meu entusiasmo para a folia de Momo passou a variar bastante de ano a ano. Principalmente depois que voltei a morar no Rio, em 2008, houve carnavais em que me senti o garotinho nessa foto — feita num pré-carnavalesco na Cidade das Artes. A sensação de peixe fora d’água parece vir se avolumando desde que inventaram que o Carnaval tem que durar de três a cinco vezes mais do que aqueles 4 dias aos quais havíamos nos habituado.

Em 28 de janeiro …

Fora Collor geração caras pintadas Fora Bolsonaro presidentes impichados impichado estudantes de Jornalismo caras-pintadas UFMS universidade federal do mato grosso do sul impedimento deposição presidente da República manifestação manifestações

#TBT nostálgico e, de certa forma, oportuno. Agora, que a palavra ‘impeachment‘ volta a andar nas cabeças, andar nas bocas. Inevitável lembrar de mim jovenzinha, estudante de Jornalismo, ao lado de amigos, colegas e professores, clamando pela deposição de um outro presidente da República, nas ruas de Campo Grande, Mato Grosso do Sul…

adolescentes estudantes secundaristascaras pintadas

É bem verdade que alguns de nossos contemporâneos não tinham muita noção do que estavam fazendo ali. Minha turma, entretanto, não tinha sombra de dúvida.
Algo daquele período de que também sinto falta é do quão mais combativa era a nossa indignação.

 

 
 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* * *
 

 

 
 
 
 

A UnB de nossos manifestos juvenis

[ Da série: ‘Arquivos Brasilienses’ ]

O ano em que, por pouco, não vimos uma viralata tornar-se reitora

histórias de Brasília Bsb história FAC comunicação Geni a cãdidata cães viralatas SRD

Campus da Universidade de Brasília (UnB): A mascote Geni “posa” ao lado do DCE. ‘Cãdidatura‘ da viralata à reitoria ganhou fôlego a partir dos centros acadêmicos 

 

Estávamos em 1993,  pouco tempo após o meu segundo ingresso na UnB (dessa vez, para cursar Jornalismo) e em época de eleições para a reitoria.

Não recordo das circunstâncias exatas que envolveram a iniciativa de lançar a viralata como candidata a reitora. Ouvi quem afirmasse que a ideia teria sido gestada dentro do DCE, mas também quem dissesse que teria partido do pessoal do CAFIS, o Centro Acadêmico do curso de Física.
Concebida para encarnar o voto de protesto – no mais galhofeiro estilo “macaco Tião” -,  fato é que a candidatura da cã bonachona deixou o campus em polvorosa, com as ações criativas promovidas pelo pessoal dos centros acadêmicos, vindo, inclusive, a ser destaque em vários veículos de imprensa.

Foto pde Adriana Paiva

*

Algum tempo depois de “concorrer” à reitoria, Geni também foi parar na capa do “Agnaldo”, suplemento cultural de nosso semestre de Campus (o jornal-laboratório do curso de jornalismo da FAC), ao lado de acontecimentos e personagens de destaque da cena brasiliense, como o Maskavo Roots  – em sua primeira formação; a que tinha como guitarrista o Carlos Pinduca, fundador da banda e meu colega na disciplina ‘História da Imprensa’ (ministrada pelo saudoso Carlos Chagas):

jornal bandas brasilienses de garagem capa do suplemento Agnaldo do Campus

*

Falando, ainda, em reitoria, informações que já quase me escapavam: Ao longo de meus dois ingressos na UnB, tivemos três diferentes reitores: Cristovam Buarque, Antônio Ibañez Ruiz (que chancelou minha mudança de curso, da Antropologia para o Cinema) e João Claudio Todorov (por dois mandatos).

*

| Outras notas brasilienses:

*  + Universidade de Brasília * Meus endereços na capital federal * Brasília, 56 anos  * Bsb: 54° aniversário * Brasília aos 53  * Recuerdos digitalizados  * Pelas mesmas ruas onde aprendi a dirigir * Retratos em preto e brancoNotas do Clã * Arquivos de andanças * Razões para retornar a Brasília *

* * *

A soma de todas as insatisfações

 

E outro tanto de circo e carnaval

De uma ida ao centro do Rio e a surpresa de encontrar uma manifestação no meio do caminho

.

manifest_camara_exibidos31ct800ss

Escadaria da Câmara Municipal do Rio: Reivindicações legítimas e exibicionismo

Ontem (24/6), no meio da tarde, passei pela frente do CCJF (fechado às segundas-feiras) e encontrei as portas e janelas cobertas por tábuas. No portão, perguntei ao guarda se as manifestações haviam deixado muitos prejuízos. Ele me disse que não e que a medida dos tapumes era apenas precaução, já que o prédio tem grande valor histórico e havia rumores de que uma nova manifestação aconteceria dali a pouco. Sem perceber na circunvizinhança nenhum movimento que sugerisse que haveria mesmo alguma manifestação por ali (depois soube que os manifestantes estavam na Candelária), atravessei a Rio Branco em direção à Livraria Cultura, que também já começava a baixar portas – a exemplo de boa parte do comércio das redondezas. Fiquei pouco tempo por lá. De volta à Praça Floriano, resolvi sentar no Amarelinho para tomar alguma coisa. Aí eram perto de cinco e meia da tarde. Paguei a conta e me levantei para pegar o Metrô. No que me encaminho à estação, olho para a direção do Theatro Municipal e vejo dois grupos de PMs ladeando-o em cada uma das esquinas. Claro que desisti de voltar pra casa. Do contingente de policiais multiplicar-se à chegada de hordas de fotógrafos, foi um pulo. Quando olhei em torno, a Avenida Rio Branco já estava fechada ao trânsito e a Cinelândia lotada. Segundo estimativas da Polícia Militar do Rio de Janeiro, estiveram na manifestação cerca de 2 mil pessoas.

>> Veja outras imagens no meu perfil, no Facebook.


Outros vinte

 

Acabo de publicar no meu perfil do Facebook

juventude estudantes secundaristas universitários ruas protestos manifestações
“Fora, Collor”: Manifestação de estudantes no centro da capital sul-matogrossense

Lembrando que, há exatos vinte anos e um dia, em 29/9/1992, tinha início o processo que culminaria no impeachment do então presidente da República Fernando Collor de Mello. E eu estava lá, entre os caras-pintadas, jovenzinha e transbordante de otimismo.